Prometeu? Cumpra!

Você é daquelas pessoas que vive chegando atrasada para seus compromissos? Sempre esquece de dar o retorno prometido à alguém? Você se compromete a fazer mil coisas no seu dia e não consegue cumprir nem a metade delas? Bem, então você precisa ler isso…

O post de hoje é uma dica simples e direta: Pare de prometer coisas a você mesmo e aos outros, que você não pode cumprir!

Agindo dessa forma seu cérebro assimila que, ou você não tem palavra, ou você não tem capacidade de realizar aquilo, ou que está tudo bem não cumprir com a palavra.

Acredito que nenhuma das alternativas é satisfatória pra ninguém, não é mesmo? Ninguém gosta de passar por mentiroso ou se sentir mal porque não consegue fazer nada direito.

Se nos acostumamos a chegar atrasados para nossos compromissos, ou prometemos dar um retorno a alguém e não retornamos, a nossa relação com as pessoas é afetada.

Prometer a si mesmo que vai fazer algo e não cumprir, como dizer que vai começar uma dieta e nunca começar, por exemplo, afeta a auto-estima. Você passa a acreditar que não tem força de vontade suficiente para realizar as coisas.

Perceba que é através da repetição que se cria um hábito.

Por mais banal que a situação possa parecer, agindo sempre da mesma maneira, estamos permitindo que um mau hábito se instale e crie força.

Portanto, avalie as chances de você não cumprir com a palavra antes de prometer algo e seja mais firme com seus compromissos. Dessa maneira, estará reforçando bons hábitos. Não só passará mais credibilidade aos outros, quanto também passará a acreditar mais em si mesmo. Ou seja, se sentirá mais confiante e mais capaz!

É isso, pessoal! Vamos aos poucos, com consciência, adotar hábitos que colaboram com a nossa busca pelo auto desenvolvimento 😉

Namastê!

O segredo das posturas de equilíbrio da Yoga

Como muitos já sabem, eu sou instrutora de Yoga, e nas minhas aulas de Hatha é muito interessante ver como as pessoas se comportam quando proponho uma postura de equilíbrio.

Pode parecer simples permanecer com um dos pés suspenso do chão, mas não é. E quando os alunos iniciantes percebem isso, ficam surpresos. É muito comum que eles fiquem visivelmente frustrados com o fato de não conseguirem se estabilizar. Eles franzem a testa, bufam, ralham consigo mesmos, e quando não agem assim, geralmente têm uma crise de riso nervoso.

Eu procuro enfatizar que é necessário que sejam gentis com eles mesmos nesse momento. Afinal, sempre que nos propomos a realizar algo novo, algo que não executamos no nosso dia a dia, o cérebro exige um tempo para processar.

Além disso, são muitos os fatores que podem favorecer ou desfavorecer o equilíbrio: posição do pé, do joelho, do quadril, do tronco e da cabeça, olhar, respiração, (des)concentração…

Por esse motivo o exercício de equilíbrio começa sempre com a auto-observação, etapa que, quase sempre, os alunos preferem pular. Eles estão ansiosos para se verem executando perfeitamente o ásana (postura)! Não percebem que o benefício da prática das posturas de equilíbrio está muito mais no processo que está acontecendo, já na tentativa de equilibrar-se, muito mais do que quando se alcança a postura final.

E não é que é assim também com a nossa vida?

Quantas vezes banalizamos o momento presente, investindo energia apenas na produção de pensamentos do tipo “quando eu conseguir tal coisa…”, “quando eu chegar lá…”?

Se pararmos para pensar, a riqueza da vida está muito mais no caminho que percorremos. O curto momento em que alcançamos um objetivo é apenas o resultado das nossas pequenas vitórias somadas.

E o equilíbrio?

Bem, sabemos que até o objeto mais estático é composto por partículas que se movem constantemente. Portanto, acredite, não há nada de errado na oscilação! Como disse Albert Einstein: “A vida é igual andar de bicicleta. Para manter o equilíbrio é preciso se manter em movimento.”.

Namastê!

Qual é a sua tribo?

Se eu te perguntar “Qual é a sua tribo?”, você saberá responder?

A necessidade de pertencer a um grupo sempre foi objeto de estudo através da história. O psicólogo Abraham Maslow, conhecido pela Teoria da Hierarquia das Necessidades Humanas, mais conhecida como Pirâmide de Maslow, é um dos exemplos.

Todos nós temos necessidades sociais, de amor e de afeição. No entanto, podemos encontrar algumas armadilhas na tentativa de pertencer a um grupo. Uma delas é quando perdemos nosso tempo nos esforçando para ser alguém que não somos, para que sejamos aceitos.

No vídeo de hoje, para ilustrar essa situação, me utilizei da interpretação do arquétipo do Patinho Feio, contida no Livro “Mulheres que correm com os lobos”, de Clarissa Pinkola Estés.

Ela propõe que você se imagine sendo um cisne que tenta ser um rato. Imagine você tendo que fingir sendo bem pequeno e cinzento, imagine você tendo uma calda comprida, e tendo que andar como um rato. Seria bem difícil, não é mesmo? Porém é assim que agimos muitas vezes, no intuito de atender às expectativas alheias.

Na estória, o Patinho Feio passa um bom tempo vagueando, instintivamente em busca da sua verdadeira família. E é o que Clarissa propõe como alternativa: gastar seu tempo buscando a sua tribo é melhor do que passar uma eternidade tentando ser quem você não é!

Mas, e como saber qual é a sua tribo?

Primeiro se conheça, tenha clareza de quais são as coisas que te atraem, e vá em busca delas. Será inevitável que se depare com pessoas que estão buscando as mesmas coisas e, portanto, terão afinidades com você.

Aqui na Mandala temos inúmeros exemplos de pessoas que vieram procurar por uma atividade física, ou um desafio, ou uma maneira de se expressar, e acabaram formando verdadeiras comunidades!

Não tenha medo de seguir a sua intuição, de ir atrás daquilo que você gosta. Não se importe com os comentários das pessoas que tentam te frustrar. Certamente elas não fazem parte da sua tribo, e não há mal nenhum nisso. Somente significa que é difícil pra elas entenderem a importância daquilo pra você. Simplesmente agradeça o comentário, siga em frente com os seus sonhos e procure a sua tribo!

Namastê 🙂

Como ser vegetariano sem ser chato?

Para deixar claro, antes que o título “Como ser vegetariano sem ser chato” gere polêmicas, quero dizer que sou vegetariana à quase 12 anos, portanto a intenção não é criticar.

No entanto, não posso negar que é comum ver alguns colegas levando a fama de chatos. E por que isso?

Nós vemos sentido em muitas das questões que vão a favor do vegetarianismo/veganismo, como as questões ambientais e de igualdade com os animais, por exemplo. Sendo assim, queremos que as pessoas ao nosso redor se dêem conta disso também.

Até aí não há mal nenhum em querer argumentar a favor da sua decisão. O problema está na forma como muitas vezes isso é feito.

Algumas pessoas tentam convencer as outras de forma impositiva e insistente, o que acaba criando o efeito contrário ao desejado. Ou seja, ao invés de convencer o outro, você acaba por criar uma barreira.

Então como tornar as pessoas mais simpatizantes pelo vegetarianismo ou veganismo?

Que tal oferecer algo veggie saboroso a elas? Quer saber de alguns bons motivos pra fazer isso? Aí vai:

– você pode, e muito provavelmente irá surpreender positivamente as pessoas;
– elas irão perceber que é possível se alimentar de comida gostosa e simples de preparar, sem adição de carne ou derivados;
– você derruba o mito de que comida vegetariana ou vegana é sonsa ou que se baseia apenas em carne de soja e
– esse pode ser o estímulo que muita gente precisava para adotar uma dieta vegetariana ou vegana.

Temos um bom modelo dessa prática aqui mesmo: o Café Mandala *-*

Posso dizer pela experiência com o Café que vi muita gente, que tinha preconceitos em relação a esse tipo de alimentação, acabar se surpreendendo e tornar-se simpatizante da culinária.

Lembre-se, a dieta vegetariana/vegana é, quase sempre, baseada no amor aos animais. Se temos amor pelos bichinhos, por que não estender esse amor a todos os seres humanos? Isso significa + compreensão + tolerância e + gentileza, galerinha!

Namastê 🙂

Você comemora suas pequenas vitórias?

O tema de hoje, “Você comemora suas pequenas vitórias?” surgiu através de uma sacada que tive, após receber um elogio em uma consultoria do SEBRAE.

A princípio pode parecer um tanto quanto narcisista comemorar por um mero elogio, certo? Porém, o fato é que, ao comemorar uma pequena vitória, estamos gerando um estímulo para seguirmos em frente.

No passado, era muito comum eu me pegar pensando da seguinte forma: só ficarei feliz na hora em que estiver perfeito. Aqueles que são perfeccionistas saberão bem como é pensar assim. Não há nada mais frustrante do que nunca alcançarmos as nossas próprias expectativas. E com a frustração vem o desânimo, a sensação de que não somos capazes, a paralisia!

Lembra o post passado, onde eu falei sobre a Lei da Atração? O terceiro passo trata-se justamente de “permitir-se”. Muito provavelmente o fato de não nos permitirmos comemorar uma pequena etapa do nosso processo, esconde a crença limitante de que “não merecemos, pois não somos bons o bastante”.

Que tal repensar isso para o seu próprio bem?

Incluindo na sua vida o hábito de comemorar as pequenas vitórias, você trará mais energia para o seu dia. Além disso, você estará fortalecendo sua vontade de superar os obstáculos, pois sabe que o aprendizado não está na conquista de um grande objetivo, e sim no processo até chegar a ele.

Namastê!

Abrir Chat
Como posso ajudar?