autoconhecimento

Série GRATIDÃO #2 Gratidão pela sua história

Se você está chegando agora, recomendo primeiramente ler esse post aqui.
Caso já tenha lido, aí vamos com o segundo post da série GRATIDÃO…

Já parou pra pensar que só você é que sabe o que é ser VOCÊ?

As pessoas ao nosso redor, sobretudo as mais próximas, podem ter uma ideia da nossa história, no entanto, só nós sabemos o que é sentir as coisas do modo como nós sentimos.

Não sei você, mas quando eu penso em todos os desafios pelos quais passei na vida, todas as vezes em que continuei em frente, apesar do medo, desânimo e dificuldades, isso me faz me sentir, acima de tudo, mais forte.

Cada um de nós é moldado e transformado pelas experiências pelas quais passamos, sejam elas boas ou ruins. Cada um de nós está enfrentando uma batalha todos os dias. Cada um de nós está cometendo erros e acertos, e com isso se tornando hoje uma pessoa melhor do que ontem.

Pensando por esse lado, comparar o seu bastidor com o palco dos outros, por exemplo, parece ainda mais sem sentido. Ou seja, muito embora algumas pessoas tenham conquistado coisas incríveis para sua vida, não quer dizer que não tenham problemas e que não precisem se esforçar para viver em paz com os outros e consigo mesmas.

Sendo assim, que tal procurar trocar o sentimento de culpa e a autocrítica exagerada por um pouco de gratidão pela sua história?

Lembre-se de tudo o que você já fez e construiu. Além disso, pense em tudo o que ainda é capaz de realizar com tudo o que aprendeu e torne a sua vida mais POSITIVA!

Um grande abraço e até o próximo vídeo da série 🙂

Namastê!

Como transformar um sonho em uma META

Você sabe a diferença entre um sonho e uma meta?

Bem, já falei num post passado que, para se ter sucesso, é preciso ter metas ao invés de apenas sonhos. A principal diferença entre uma coisa e outra, é que uma meta é tangível, ou seja, palpável.

E como fazemos para tornar um sonho tangível? É muito simples se você souber responder às perguntas que eu ensino mais a frente.

Antes disso, quero saber o seguinte: você já parou pra pensar quais são seus sonhos, ou seja, seus objetivos a curto, médio e longo prazo? Se não tem muita clareza sobre isso, a técnica dos mapas mentais que eu ensinei há um tempo atrás poderá ajudar muito!

Depois que você tiver isso definido, você pode começar a se fazer as perguntas que a ferramenta SMART propõe. Vamos lá…

Específica

Uma meta precisa ser específica, para isso tenha uma resposta objetiva para cada uma das seguintes perguntas:

O que?

O que você quer? (ex: quero fazer uma viagem)

Quem?

Tem alguém mais envolvido nesses planos? (ex: meu namorado)

Onde?

Para onde eu quero viajar (ex: para a Tailândia)

Mensurável

Quanto?

Quando você define exatamente o Quanto de dinheiro, tempo/dedicação precisará dispor para conquistar seu objetivo, fica mais fácil administrar seus recursos. Além disso, é importantíssimo saber o quanto você está disposto a abrir mão de outras vontades para realizar sua meta. (ex: X reais ou X horas de trabalho focado)

Atingível

Uma meta precisará ser, necessariamente, realista. Para saber se o seu sonho é atingível, você precisará encontrar uma resposta para a seguinte pergunta:

Como?

Não sabe como? Uma ótima dica é pesquisar se alguma outra pessoa conseguiu alcançar aquilo que você quer, e então tentar descobrir quais foram os passos que ela seguiu para poder reproduzi-los. (ex: fazer brigadeiro em casa e vendê-los para os colegas de trabalho, família e amigos)

Relevante

Na minha opinião a pergunta a seguir é uma das mais importantes:

Por que?

Por que você quer atingir esse objetivo? Se a resposta para essa pergunta for vaga demais, sinto lhe informar que talvez você nem venha a realizá-lo. Quando você tem um propósito bem definido, consequentemente você estará apto a conquistar o que deseja! (ex: porque tenho uma conexão forte com a Tailândia e sei que será uma experiência espiritual incrível)

Temporal

Quando?

Quanto mais específico for o prazo que você determinar para alcançar sua meta, melhor. Por isso, evite estipular prazos do tipo “daqui a dois meses”, porque amanhã “daqui a dois meses” virou outra data, rs. (ex: em 03/09/2019)

Para lembrar com mais facilidade dessas perguntas essenciais, grave esta única sigla: 4Q – 1POC (4Q = o que, quem, quando e quanto, 1POC = por que, onde e como).

Se você conseguiu responder a todas essas perguntas, parabéns! Você está no caminho certo para conquistar tudo o que deseja!

Uma última dica importante: não responda às perguntas apenas na sua cabeça, escreva-as no papel. Dessa forma você estará reforçando sua meta 😉

Enfim… espero que tenham gostado desse conteúdo. Fiquem a vontade para comentar e compartilhar.

Namastê!

Yoga não é pra mim

Porque algumas pessoas acham que a prática da Yoga não é pra elas?

Costumo dizer que a Yoga simula a própria vida. Ela é feita tanto de momentos que exigem força, resistência, flexibilidade, equilíbrio, quanto de momentos de relaxamento. Pense quão maravilhoso seria poder passar por cada um desses momentos da vida com serenidade. Pois é, é isso o que a Yoga propicia e que você está perdendo a chance de usufruir!

Não estou dizendo que é fácil, que basta começar a praticar para conquistar a plenitude. Mas digo com convicção que, desde que você compreenda o segredo da Yoga, logo irá perceber os benefícios.

O segredo não está naquelas posturas que vemos, onde as pessoas parecem ter dado um nó, ou que parecem ser super acrobáticas. O segredo está em saber parar, focar a atenção em si mesmo, manter a respiração consciente e tranquila, e buscar relaxar a mente durante o esforço. É o tal do equilíbrio entre o corpo e a mente que sempre ouvimos falar.

Quanto mais difícil o asana, mais dificuldade eu vou ter em controlar tudo isso. Mas pra quê me preocupar em fazer uma inversão sobre a cabeça, por exemplo, se eu tenho dificuldade em apenas sentar e parar para observar minha respiração?

Aqueles que dizem “Yoga não é pra mim, por que eu sou muito agitado” são, muitas vezes, os que mais precisam de Yoga!

Se eu puder te dar uma dica valiosa, essa dica é: Reserve um tempo pra você parar e se observar. Acredite, isso não é perda de tempo! Você não precisa estar o tempo todo produzindo, fazendo coisas, sendo útil para os outros. A vida não é essa correria desenfreada, tem que haver algo além disso tudo. Esse algo está dentro de você, e só pode ser encontrado se você souber silenciar o barulho, externo e interno também.

Você está com sobrepeso? A Yoga pode te ajudar a perder peso e te manter saudável. Você está sedentário(a)? A Yoga é altamente indicada. Tem pressão alta ou algum problema de coluna ou articular? A Yoga é facilmente adaptável para o seu caso. Se acha muito velho(a) para começar? Saiba que muitos são os benefícios da prática para a terceira idade. Sofre de insônia, estresse, ansiedade e crises de pânico? Tenho certeza de que vai encontrar na Yoga uma arma valiosa contra esses males. Seja qual for a sua desculpa, saiba, a Yoga é sim pra você!

Namastê 🙂

Dicas de Organização baseadas no método KonMari

Hoje eu vou falar de um assunto que eu adoro: Organização!

Como uma boa virginiana que sou, adoro estudar métodos que servem para deixar minhas coisinhas sempre arrumadas. Pra mim, a organização do espaço ao meu redor está intimamente relacionada com a organização dentro da minha mente. Afinal, quanto mais claro e limpo o ambiente em que estou, mais claros e fluídos se tornam os meus pensamentos!

Bem, há um tempo atrás me deparei com o livro “A Mágica da Arrumação – A Arte Japonesa de Colocar Ordem na Sua Casa e na Sua Vida”. A autora, Marie Kondo, propõe uma técnica de arrumação que contém passos essenciais e uma ordem específica para a realização desses passos. De acordo com Marie, desde que você siga cada passo, na ordem sugerida, nunca mais suas coisas ficarão desorganizadas!

Aceitei o desafio, e cá estou eu, depois de 1 ano, pra contar pra vocês que a técnica realmente deu certo! No entanto, percebi que existem 2 fatores principais que determinaram a manutenção da ordem no meu armário. São essas as 2 dicas que irei compartilhar aqui com vocês:

1. Isto me traz alegria

Marie Kondo ensina que, no momento de decidir os itens que manteremos e os que iremos descartar, devemos nos perguntar “isto me traz alegria?”. Essa pergunta deve ser feita ao tocar e olhar cada objeto ou peça de vestuário.

Confesso que inicialmente achei algo bobo de se fazer, mas insisti mesmo assim, pois estava determinada a testar o método. Com o tempo, percebi que faz total diferença quando reconhecemos que as coisas que possuímos nos trazem algum tipo de alegria. Seja porque é uma roupa que eu acho maravilhosa, uma meia que deixa meus pés quentinhos. Ou até mesmo um martelo que eu uso de vez em nunca pra pendurar lindos quadros pela casa.

Quando reconhecemos o valor e expressamos gratidão pelas coisas que temos, pela alegria que elas nos trazem, passamos a respeitar mais esses objetos. Dessa forma fica muito mais difícil deixar que eles se amontoem, ou fiquem rolando em qualquer canto.

2. Guardar tudo na vertical

A probabilidade de bagunçar tudo, quando precisamos tirar um objeto que está no meio, ou embaixo de uma pilha, é muito grande, certo? Ainda mais quando estamos com pressa.

O fato de não empilhar mais nada, roupas, livros, objetos, simplesmente funciona e é genial! A dificuldade está em “como guardá-los” na vertical. Alguns são fáceis, como livros, por exemplo, outros nem tanto, como as roupas. No entanto, ela ensina técnicas de como dobrá-las de maneira que fiquem na vertical.

Uma dica importante relacionada a isso é utilizar caixas para acondicionar as roupas que são mais “molinhas” e resistem a ficar de pé.

Se vocês gostarem da ideia de eu fazer um vídeo ensinando a dobrar as roupas, escrevam aqui nos comentários! Ficarei super feliz em poder ajudar a deixar a vida de vocês mais leves com o poder da arrumação, rs

Grande beijo e até a próxima!

Namastê <3

Como acabar com o bloqueio mental usando os Mapas Mentais

Você já sentiu que não consegue ir em frente com algum projeto por bloqueio mental? Algum texto ou ideia que não consegue desenvolver, por não conseguir clarear os pensamentos?

Há um bom tempo atrás eu descobri, sem querer, uma técnica que tem me ajudado muito a superar os bloqueios mentais. Este post tem o intuito de compartilhar essa técnica com vocês!

Primeiramente, vale a pena saber que nossa mente pode operar de duas formas distintas: no modo difuso ou no modo focado. O modo focado é o modo analítico, racional, ou seja, que exige total concentração de pensamento. Já o modo difuso é um estado de pensamento mais relaxado, e é nesse modo que, normalmente, operamos a nossa mente de maneira criativa.

O Clustering, ou Mind Mapping (Mapa Mental), é uma forma de registro de pensamentos no modo difuso.

Para colocar essa ferramenta em prática, basta papel, caneta e seguir conforme abaixo:

1. Coloque a folha na horizontal. Quando o papel está na vertical, você se limita a seguir apenas uma direção na sua escrita, uma vez que seu cérebro te induz a dissertar ou escrever uma lista. Por outro lado, com o papel na Horizontal, nós temos múltiplas possibilidades de direção.
2. Escreva o assunto no centro da folha, com um círculo em volta.
3. Ao redor da folha, escreva qualquer coisa que lhe venha à mente sobre o tema. Procure não julgar o que está escrevendo, não existe certo ou errado, apenas deixe fluir!

Encontrei nessa ferramenta uma ótima forma de aliviar a mente do estresse causado pelo bloqueio. Uso ela pra tudo, projetos pessoais, profissionais, bem como para assuntos de ordem emocional com os quais não estou sabendo lidar. Espero que te ajude também! 🙂

Ah! E quer saber como conheci o Clustering?

Foi através do material de apoio do curso online “Learning How To Learn”, que recomendo fortissimamente. Segue o link caso queira acessar: https://www.coursera.org/learn/learning-how-to-learn

Namastê e até a próxima.

Abrir Chat
Como posso ajudar?