pequenas vitórias

O segredo das posturas de equilíbrio da Yoga

Como muitos já sabem, eu sou instrutora de Yoga, e nas minhas aulas de Hatha é muito interessante ver como as pessoas se comportam quando proponho uma postura de equilíbrio.

Pode parecer simples permanecer com um dos pés suspenso do chão, mas não é. E quando os alunos iniciantes percebem isso, ficam surpresos. É muito comum que eles fiquem visivelmente frustrados com o fato de não conseguirem se estabilizar. Eles franzem a testa, bufam, ralham consigo mesmos, e quando não agem assim, geralmente têm uma crise de riso nervoso.

Eu procuro enfatizar que é necessário que sejam gentis com eles mesmos nesse momento. Afinal, sempre que nos propomos a realizar algo novo, algo que não executamos no nosso dia a dia, o cérebro exige um tempo para processar.

Além disso, são muitos os fatores que podem favorecer ou desfavorecer o equilíbrio: posição do pé, do joelho, do quadril, do tronco e da cabeça, olhar, respiração, (des)concentração…

Por esse motivo o exercício de equilíbrio começa sempre com a auto-observação, etapa que, quase sempre, os alunos preferem pular. Eles estão ansiosos para se verem executando perfeitamente o ásana (postura)! Não percebem que o benefício da prática das posturas de equilíbrio está muito mais no processo que está acontecendo, já na tentativa de equilibrar-se, muito mais do que quando se alcança a postura final.

E não é que é assim também com a nossa vida?

Quantas vezes banalizamos o momento presente, investindo energia apenas na produção de pensamentos do tipo “quando eu conseguir tal coisa…”, “quando eu chegar lá…”?

Se pararmos para pensar, a riqueza da vida está muito mais no caminho que percorremos. O curto momento em que alcançamos um objetivo é apenas o resultado das nossas pequenas vitórias somadas.

E o equilíbrio?

Bem, sabemos que até o objeto mais estático é composto por partículas que se movem constantemente. Portanto, acredite, não há nada de errado na oscilação! Como disse Albert Einstein: “A vida é igual andar de bicicleta. Para manter o equilíbrio é preciso se manter em movimento.”.

Namastê!

Você comemora suas pequenas vitórias?

O tema de hoje, “Você comemora suas pequenas vitórias?” surgiu através de uma sacada que tive, após receber um elogio em uma consultoria do SEBRAE.

A princípio pode parecer um tanto quanto narcisista comemorar por um mero elogio, certo? Porém, o fato é que, ao comemorar uma pequena vitória, estamos gerando um estímulo para seguirmos em frente.

No passado, era muito comum eu me pegar pensando da seguinte forma: só ficarei feliz na hora em que estiver perfeito. Aqueles que são perfeccionistas saberão bem como é pensar assim. Não há nada mais frustrante do que nunca alcançarmos as nossas próprias expectativas. E com a frustração vem o desânimo, a sensação de que não somos capazes, a paralisia!

Lembra o post passado, onde eu falei sobre a Lei da Atração? O terceiro passo trata-se justamente de “permitir-se”. Muito provavelmente o fato de não nos permitirmos comemorar uma pequena etapa do nosso processo, esconde a crença limitante de que “não merecemos, pois não somos bons o bastante”.

Que tal repensar isso para o seu próprio bem?

Incluindo na sua vida o hábito de comemorar as pequenas vitórias, você trará mais energia para o seu dia. Além disso, você estará fortalecendo sua vontade de superar os obstáculos, pois sabe que o aprendizado não está na conquista de um grande objetivo, e sim no processo até chegar a ele.

Namastê!